Coincidências

Era como se sorrateiramente algo atuasse em prol da união daqueles dois. Não bastasse a conexão transcendental que experimentaram ao primeiro olhar, perceberam haver ali algo a mais, ao que ela nomeou “sincronicidade”, e ele “coincidência”. De fato, o que se sucedeu foram inúmeros encontros fortuitos. O primeiro deles ocorreu no restaurante próximo ao hotel, que escolhido aleatoriamente por ela, calhou de ser ao lado da casa dele. Outras situações se sucederam e quando menos esperavam, lá estavam os dois. Olhar de soslaio, respiração em descompasso, coração e cabeça díspares. E entre as casualidades, acabaram por se habituar à dança, à sedução, e ao desejo, inicialmente sublimado, sempre presente. Por fim, vivenciaram um encontro. E outro. E mais outro. Todos seguidos de um “até logo” triste, gemido, mordido, mal saído da boca, tamanha a saudade que sentiam. O último seguido por um “adeus”, curto, torto, mudo. A razão subjugou o amor. Tornaram-se interrompidos, partidos, metades. Por longo período, abandonaram o pleonasmo da paixão e incorporaram o paradoxo da separação.

Mas havia algo sorrateiro, algo a mais. E assim, o acaso se fez surgir novamente e entre inúmeros possíveis dias, horários e companhias aéreas, encontraram-se em um voo. Assustada, ela se perguntou como. Pragmático, ele não soube explicar. E diante de tudo o que viveram (e sofreram), colocaram-se a refletir sobre as coincidências da vida, sobre os encontros raros e especiais. E sobre as relações que surgem dessas coincidências e desses encontros. Queriam para si, interações divertidas e profundas, como gostavam de ter e ser. Queriam entre si, expor vulnerabilidades e desejos. Queriam laços, interseções, comunhões. Queriam que fossem verdadeiros. E por tudo isso, esperaram. Contaram os dias e os meses. Quem sabe mais uma sincronicidade? Outra coincidência? E porque a dor da espera já a sufocava, tomou atitude: comprou um pequeno quadro de madeira onde impregnou seu cheiro, e borrifando perfume e palavras, escreveu: “Espero que se lembre de mim como a pessoa amorosa, alegre, inteligente e divertida que mexe com todas as tuas células, desorganizando-as, para que enfim entrem em ressonância – com as minhas.” Empacotou o presente, endereçou e colocou nos correios.

Nunca houve reposta. E ela até hoje se pergunta se houve extravio. Coincidência?

Aline Serfaty

instagram.com/contocurtas

Revisado por Fabiana Serra 

flui.life    

instagram.com/flui.life 

facebook.com/flui.life.voce

8 comentários sobre “Coincidências

  1. União. Conexão. Sincronicidade. Coincidência. Soslaio. Descompasso. Díspares. Casualidades. Encontro. Saudade. Adeus. Razão. Paixão. Separação. Laços. Interseções. Comunhões. Extravio.
    Simples assim? Me extravio junto.

    Curtir

    1. Adoro os felizes e o não felizes, mas confesso que prefiro estes últimos. Já fomos inundados de contos de fada na infância. Aqui é vi-da: momentos de alegria, tristeza, emoções fortes, marasmo, felicidades pontuais, desdobramentos inesperados. E sobretudo, reflexões acerca da nossa essência e do que o universo nos traz. Beijos, meu querido! Adorei te ver por aqui!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s