Entre Idas e Vindas

Dez.

Dez idas e vindas.

Dez chegadas e partidas.

E entre aterrissagens e decolagens,

verões e invernos, anos e mudanças.

Chegar

eram infinitas expectativas.

Voltar

era frustração.

Era o nada concretizado,

o vazio revelado,

exposto,

sangrando,

doído.

Chegar ou partir mexia.

Trazia outono e céu cinzento.

Desalinhavava costuras mentais,

tão cuidadosamente amarradas.

Resgatava o adeus,

o oco.

Sufocava o alívio.

Expunha decepção,

e sublinhava realidade.

Colocava o pretérito na caixa do ontem.

E a aceitação no presente.

Ir era reforçar a ilusão de um vínculo

forte, profundo, intenso.

Partir era questionar essa ilusão.

Diante do nada recebido,

colocar à prova a certeza de que era especial, singular

Entre idas e vindas foi triste,

doloroso,

difícil.

Mas também revelador.

O tempo passou.

Transformou protagonista em coadjuvante,

multiplicou o que antes era único.

Uma única atração,

hoje, infinitas possibilidades.

Entre dez idas e vindas.

Aline Serfaty

instagram.com/contocurtas

Revisado por Fabiana Serra 

flui.life    

instagram.com/flui.life 

facebook.com/flui.life.voce

2 comentários sobre “Entre Idas e Vindas

  1. A distância maltrata, corta, interrompe, não deixa fortalecer. E a gente vai cansando, cedendo para outros olhares.

    Parabéns pelo texto, Aline, minha amada irmã.

    Curtir

  2. Interessante pensar… sentir… falar!
    Milhões de vezes iremos e voltaremos. Em cada uma delas, seremos outros.
    É assustador tentar entender isso.

    Caio

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s