Abed, o francês

 

frança paris

Em 2006 conheci Abed, um francês de origem argelina. Magro, alto, com cabelos negros encaracolados e pele morena, trabalhava gerenciando os aluguéis dos apartamentos de sua mãe. Fechamos contrato e poucos dias depois, me instalei no estúdio, localizado em uma silenciosa rua, no centro de Paris. Um sofá-cama e uma pequena mesa para duas pessoas era o que mobiliava o espaço. Nada mais. Passadas algumas semanas, encontrei roupas de cama e utensílios domésticos em minha porta, gentilmente cedidos por ele, contrariando a vontade de sua mãe. Frequentemente os via juntos, inspecionando suas propriedades. Altiva, trajava-se com elegância e utilizava-se deste e de outros artifícios para impor sua autoridade. Soberba e ríspida nas parcas relações interpessoais, causava-me desconforto, invariavelmente. Ambos mantinham um enlace conturbado, repleto de cobranças e provavelmente perpetuado por necessidades alheias ao meu alcance.

Em pouco tempo habituei-me à rotina de acordar relativamente cedo, andar até o metrô, chegar ao estágio e voltar ao final do dia para o cubículo onde tudo começou. Via-o circulando pelas redondezas quase todos os dias, entre conversas com o dono de uma loja de tecidos ou com seu tio, que morava no estúdio ao lado. Um dia, contrariando o tabu cultural, convidou-me para um café na deliciosa padaria da esquina e contou-me um pouco de suas aventuras pelo continente europeu, com uma namorada suíça, nada convencional. Sem pontos  turísticos ou hora para acordar, a regra diária era o prazer, encontrado no álcool e em outros entorpecentes. Finalmente, entre um cigarro e outro e o café que pediu, percebi uma espontaneidade enterrada pelo peso da cobrança diária. Vivia sua rotina enfadonha, com gosto de cigarro e café amargo, negando confrontos e desconfortos. Relacionava-se com a mãe carregando consigo suas defesas de menino, que lhe impediam de nascer novamente para um mundo diferente do que ela sonhou.

Alguns anos depois, voltei àquela cidade e ao prédio onde morei. Abed estava lá. Mais magro, mais velho, com rugas e sem viço. Cumprimentou-me, educadamente, e com pesar, seguiu adiante, até perder-se nas ruelas de Paris, buscando a saída do labirinto de dissabor que sua vida se transformou. Seus vínculos parentais vendavam-lhe os olhos e o mantinham na mesma trilha. A única, para ele visível. Até o fim.

7 comentários sobre “Abed, o francês

  1. Que conto espetacular, muito bom! Adorei “Relacionava-se com a mãe carregando consigo suas defesas de menino, que lhe impediam de nascer novamente para um mundo diferente do que ela sonhou”. Você entende muito da alma humana, Aline! Beijos!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Abed e sua mãe…nosso cubículo…nossos encontros e desencontros (predominando o primeiro, claro!)…nossas inúmeras curtas…
    Lindo texto, ainda mais sabendo o contexto. Parabéns mais uma vez. Saudades amiga!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s