“Don Juan”

cafajeste5.png

Convicto, saiu do pequeno apartamento, deixando-a. O estampido da porta que acabara de bater lhe era familiar. Mantinha ali, encontros casuais, sorrateiros, onde dava vazão a sentimentos efêmeros.

Seus traços bem marcados e seu corpo irrepreensivelmente modelado, incitavam cobiça. Jovem, aproveitou as oportunidades que teve com excelência, formando-se e seguindo promissora carreira. Não demorou muito para que se casasse. Criado a partir de parâmetros sexistas bem estabelecidos, sabia o papel da esposa no lar. Para ele, restava o trabalho duro e honesto, traduzido em horas diárias de dedicação árdua, que transformaram sua vida, dando-lhe o conforto e o supérfluo que tanto lhe faltaram no passado. Mantinha, em casa, uma vida plácida com a esposa e filhos ainda pequenos.

Na rua, revelava o caos que o preenchia.  Flertava as mais belas e interessantes mulheres que eventualmente cruzavam seu caminho. Só assim sobrevivia. Conheceu Ana em uma ocasião festiva. Sua roupa decotada e o cheiro forte do perfume despertaram o vulgar que ele tanto procurava. Percebeu intensidade em seus olhos e por um instante titubeou, questionando-se se nela projetava o que acabara de sentir. Decidiu que naquela noite fugiria do comum, rumo ao ordinário. Experiente, fitou-a e caminhou firme até o primeiro beijo. Era bruto. Escutava apenas seus sentidos.

Terminaram aquele instante naquele pequeno apartamento. Familiar para ele, mas não para ela. No entanto, a regra que criara e que fielmente seguia era clara: apenas uma vez. Por isso, foi-se, deixando-a com seu cheiro ainda entranhado em seus pensamentos. Acreditava, assim, evitar sentimentos intensos em corações desprotegidos. Acreditava evitar em si, a culpa, que teimava em lembrar-lhe do “sim” matrimonial dito anos antes. Justificava-se dizendo que, desta forma, elas não se apaixonariam. Digo eu, que assim, ele nunca se apaixonou. Nunca entregou-se ao desconhecido, descontrolando-se e despercebendo as batidas do coração. Nunca secou a boca e perdeu a fala. Negava a dúvida e com veemência, negava as angústias e inseguranças que a vida insistiu em plantar-lhe. Era feliz. Era contido. Cabia dentro de um lar. Do qual nunca saiu. De fato.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s