À Desconhecida

 

Do outro lado, a vi sentada no meio-fio, em meio à sujeira dessas ruas mal lavadas. Acendeu um cigarro e deu a primeira tragada. Observava-a há poucos minutos, no bar em que estávamos, quando subitamente levantou-se. Segui seus movimentos e agora sigo seu olhar e a fumaça que sai da sua boca.

Quero falar à desconhecida uma prosa rápida. Mulher sozinha, à noite, é muito sedutor. Olho ao redor para assegurar-me de que a rua é nossa. Ao seu lado, apenas uma bolsa, intimamente posicionada. Deixo as incertezas onde estou e resolvo atravessar. Antes, paro em um ângulo perfeito e aperto rapidamente o botão que salva este segundo. Entre nós, ainda não há palavras, apenas a privacidade roubada.

Olhos nos olhos, ela me dá um cigarro. Sento ao seu lado e compartilho nossa solidão. Sem prosa e sem nome.

Um comentário sobre “À Desconhecida

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s