Origens

marrocos1

Um dia minha mãe me contou que sua bisavó viera de Tânger, no Marrocos. Durante alguns anos, isso foi tudo o que soube. Um dia perguntei-lhe mais. E nesse mais, vieram tantas lembranças que um dia foi pouco. As histórias e tradições, contadas de forma acalorada, remeteram-me ao passado que mal conhecia. Remeteram-me também à infância, em Belém, onde passava as férias para reencontrar a família, lá estabelecida muitos anos antes. Ouvi as vozes das minhas bisavó Rachel e avó Anna, que misturavam o hakitia ao jargão informal, nos ensinando esse dialeto tão pouco conhecido e sempre nos pedindo segredo quanto ao significado das palavras. Senti o gosto da alboronia, prato com sabor adocicado que misturava frango e berinjela e me lembrei dos muitos sábados que fomos à esnoga (sinagoga). Hoje acendo as velas de shabat, conectando passado e futuro, através dos olhos infantis que me observam. Sei que eles ainda não entendem esses porquês, mas eu também não. No entanto, de alguma forma criamos laços com as tradições que correm em nossas veias. O hakitia se perdeu, mas toda a linguagem não verbal implícita naquele dia-a-dia ainda vive. E segue adiante, com o Serfaty.

6 comentários sobre “Origens

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s