Mãos

maos

Caminharam a pé até encontrar um restaurante. As mesas e cadeiras, dispostas de frente para o sol, não eram muito diferentes de outras tantas que viram por ali. A tapeçaria com traços geométricos marcadamente coloridos, denunciava, a todo momento, que o Rio de Janeiro ficara para trás. Procurando afeto, a mão caminhou para o lado, querendo encontrar um par. Encostou e ficou. Mas não se entrelaçou. Sabia que entregas de amor verdadeiro, dessas que vão além de mãos e bocas, precisam de coragem. E ele ainda tinha medo. Mantiveram-se na individualidade que se toca, afastando-se da pluralidade que se funde.

5 comentários sobre “Mãos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s