As Últimas 12 Horas

Rua da Misericórdia. Cascais, Portugal.

Confesso que demorei demais para dormir. Minha cabeça estava no Rio de Janeiro. A cena do assassinato da mulher pelo ex-marido em frente às filhas e o grito das meninas transformaram-se em uma dor surda, um desconforto, uma revolta. E a esta dor, juntaram-se outros assassinatos de mulheres em Promissão-SP e em Jaraguá do Sul-SC – na mesma noite – a de Natal.

Perdida em meio à insônia e à revolta, uso minhas armas: as palavras. E escrevo aqui com o objetivo de amenizar a dor surda que se abrigou. O machismo é deletério, machuca a alma, mata o corpo. Não mataram por amor. Não existe nada parecido com o que entendo como amor nestes cenários. Existe descontrole. Existem advogados e juízes que, eventualmente, normalizam esses assassinatos fazendo valer a “legítima defesa da honra” como argumento para inocentar homens que matam. Honra? Não… Enquanto a sociedade julgar a vítima e vitimizar o algoz, a narrativa da “legítima defesa da honra” encontrará eco.

Viro para o lado, mexo meu corpo, fecho os olhos, mas não encontro rima. Penso em Ângela Diniz e no “Praia dos Ossos”, podcast sensacional que revisita sua história a fim de trazer à tona temas tão necessários quanto “feminismo” e “feminicídio”. Penso no próximo episódio do podcast que gravei recentemente com o psiquiatra Sivan Mauer, o “Conversa de Médico” para o Medscape, no qual sublinhamos o aumento dos casos de violência doméstica durante a pandemia. Penso nas inúmeras mulheres que traçam lutas diárias para simplesmente existir. E sinto queimar a pele e arder a alma ao pensar na mistura de alta combustão determinada pelo isolamento social e pelo alcoolismo, tão presente nas mais diversas classes sociais.

E por fim, enquanto ainda percebo o fervilhar da minha inquietude, penso nos meus filhos e na obrigação que me coloco de criar pessoas que entendam e respeitem outros seres humanos. Que saibam acolher em vez de julgar. E que possam junto comigo, entrar nessa luta por outras mulheres. Uma luta de amor e empatia.

Aline Serfaty

instagram.com/contocurtas

Revisado por Fabiana Serra 

flui.life    

instagram.com/flui.life 

facebook.com/flui.life.voce

6 comentários sobre “As Últimas 12 Horas

  1. Fui dormir ontem com essa mesma inquietude indigesta, com a sensação de impotência diante da tragédia que marca nosso cotidiano. Que sociedade é essa?! Você traz uma chave: a imensa responsabilidade social, pedagógica, que temos mães, pais, a família, professoras e professores, governantes, de colocar esse tema na pauta cotidiana também. Freud explica? A mulher ou é santa ou puta? Elogio ou chicote nela? Muito triste, muito revoltada.

    Curtir

  2. Aline senti a mesma coisa ! Fui dormir com um choro engasgado , o peito apertado , uma dor profunda , pensando nas minhas filhas , nas minhas netas .
    Ninguém está livre de ter um psicopata ao seu lado !
    E pergunto : até quando ? Essa cultura de plena defesa da honra irá prevalecer em nosso país!
    Nós brasileiros e brasileiras temos levantar a nossa voz enquanto é tempo !!!

    Curtir

  3. Crime bárbaro e premeditado. Arma branca à espera da vítima. Nem os gritos de desespero de 3 meninas contiveram o ódio desse monstro. Qual vai ser a desculpa dessa vez? Era maluco? Tomava remédio? Matou por amor? Baixa autoestima? Sei lá. O fato é que ele tirou a vida de uma mulher por pura crueldade. E isso precisa acabar. Já passou dos limites há muito tempo.

    Curtir

  4. Crime terrível!! Tbm fiquei arrasada!! As filhas presenciaram esta barbaridade! Em breve este monstro estará livre!! Precisamos de mudanças urgentes ou não sabemos mais como viver nesta sociedade!!

    Curtir

  5. Aline, apenas hoje conheci seu blog. Sou amiga de sua irmã, há muitos anos e é com enorme prazer que te leio. Prazer pelo reconhecimento, pelo seu texto, mas a verdade é que sinto a mesma dor, a mesma inquietude.
    Ouvi praia dos Ossos de uma vez só. Era muito jovem quando o crime aconteceu, mas lembro do primeiro julgamento.
    Precisamos estar juntas e cobrar justiça. Se a Juíza Viviane passou por isso quantas outras mulheres, mais desprotegidas passam, não é?

    Um prazer conhecer sua página. 💛

    Curtido por 1 pessoa

Deixe uma resposta para Glendinha Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s